Category Archive TENIS JUVENIL

ByEdmir C Cavalcante

2o Seletiva Nacional

As Seletivas Regionais garantem vagas na chave principal e no qualifying de cada categoria do Circuito Nacional, sendo que São Paulo tem duas vagas para chave e quali, assim como a região Sul, enquanto Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte distribuem aos vencedores uma vaga na chave e outra no quali.

Além dos estados que integram cada região, o tenista de estados vizinhos ao local que recebe a seletiva podem se inscrever para disputar, facilitando para que não precise de um deslocamento maior para jogar.

A segunda seletiva iniciou dia 20/04/2017.

 

ByEdmir C Cavalcante

Tennis Auckland Child Protection Protocol (CPP)

Tennis Auckland works closely with and has responsibility for all participants, many of whom are children (defined as under 18 years of age by Children’s Act 1989). Tennis Auckland detests the abuse of all people but especially of its members in general and children in particular. This abuse can be expressed as neglect, bullying by peers or adults, and verbal, emotional, physical or sexual abuse. Tennis Auckland and its affiliated clubs have a responsibility to ensure that appropriate policies and procedures are established to safeguard all children and its members from any threat of or form of abuse while participating in any aspect of our sport. All children, able bodied or disabled have the right to protection.

tennis auckland child protection policy

ByEdmir C Cavalcante

Help your child succeed at tennis

LYNETTE FEDERER, mother of multiple Grand Slam champion Roger

It’s important that your child enjoys the game and isn’t forced into it: “I believe a child chooses tennis because he or she is attracted to and fascinated by the sport, and that could be through the parents, friends or family.”

Discipline is part of the game: “If a child wants to play tennis, then it means he or she has to behave properly at practice and during matches. This is not always an easy task as emotions play a big role, influencing behaviour and results. If your child is misbehaving, I would not intervene during practice, but would discuss it with the coach and try to identify why your child is behaving like that. Bad behaviour during practice can also be a result of a lack of interest, poor tennis coaching, or a child having a bad day at school or at home. I would also speak to the child about his or her behaviour. In Roger’s case, when his behaviour was poor during a match, I told him he was inviting or asking his opponent to beat him.”

Parents should go with the flow. Don’t be too ambitious for your child. And don’t intervene too much: “The progress of a child can differ in the same age group – due to size, maturity and other factors – so some children are going to progress faster than others at the beginning of their junior career and will later be surpassed by those who were weaker at an earlier age. Our role as the parent of a junior is to ensure they attend their practice (though not to stand behind the fence all the time), accompany them to their matches, motivate them and comfort them when necessary and, most importantly of all, to ensure that they enjoy the game, and not to put pressure on your child in any way.”

A child can start playing tennis from the age of three or four in a playful manner: “Roger started at the age of three because my husband and I spent weekends at the tennis club and he just picked up the racquet and loved playing against the wall, and at home against the cupboard. Whenever we could we played on court with him. He could play for hours by himself. Later he played with friends on the road with a mini-tennis net and a soft ball.”

It’s not easy to say how you can help your child find the right coach: “We were very fortunate that we had a good system in Switzerland. If a child was talented, they were selected with the best of their age group and had good regional coaches. We were also lucky to have very good coaches at our local club.”

A parent’s role can be very important in the success of a junior: ‘Without the support and guidance of a parent, it will be difficult for a junior to succeed.”

RICHARD WILLIAMS, father of Venus and Serena

Young tennis players need to know that there is a world outside tennis: “Tennis is just a game. I’m not proud of what my daughters have done in tennis. I’m proud of my daughters for who they are, and for what they’ve achieved outside tennis. Too many players in tennis, these champions, don’t know anything outside tennis. They haven’t been to college, tennis is all they know, and what else can they do? They stop playing and then they become coaches or television announcers, they stay in tennis. They can’t do anything else. Most players can’t see that there’s a life beyond the baseline, that the baseline is the baseline. My daughters have been to college, they have an education, and they’re not going to be broke.”

JUDY MURRAY, mother of Wimbledon champion Andy and doubles specialist Jamie

You need to let go a little at some stage: “You never know if you’ve made the right decision, but you have to apply common sense and go with your gut feeling a lot of the time. It’s not that you hand over everything, but you have to try to find the right places or the right people and you have to trust them. You have to keep an eye on it, you can’t just hand your child over to a tennis academy in Barcelona [Andy Murray trained at an academy in the city] and say, ‘I’ll be back for you in four months.’ You have to make sure they are doing the right things.”

You don’t know it all – get some help by talking to other parents: “I’ve heard enough horror stories about people who have got it wrong. You have to understand that you don’t know enough about it to think you can do it all yourself and so you have to find the right people to help you.”

All the latest news from the international tennis scene

PLAYERS’ VIEW

GREG RUSEDSKI, former US Open finalist and father of two

Make sure your child has good values: “Sometimes you get cheating in junior tournaments – that happens in every single country in the world. Your child has to understand that in the long run cheating isn’t going to work.”

Appreciate that your child won’t win every tournament they play: “There’s only one winner at the end of each week. There are going to be times when the child loses a lot of close matches, and the parent and coach have to make sure that the development is monitored.”

Understand that if your child is phenomenal at 12 or 14, it doesn’t guarantee future success: “And one child’s goal will differ from another’s. Some kids might use tennis to help them get a degree. Others might want to get a pro career. But kids can’t really make those decisions until they’re 16, 17, 18 years old. If I hadn’t been up to a certain level at the age of 17, I wouldn’t have got a university scholarship in America.”

Talk to the coach and make sure everyone is giving the same message to the child: “You can’t have one message from the coach and another one from the parent – they have to be passing on the same message.”

Don’t let your child take the easy route, especially if they want to play at the highest level: “The child has to understand what’s expected of them.”

Understand that as your child gets older, he or she may lose his or her passion for tennis, or they could get injured: “It’s a long voyage and lots of things can happen.”

ANA IVANOVIC, former world No 1 and French Open champion

It’s a very bad idea for anyone to coach their child, as it then becomes difficult for the parent to separate parenting and coaching: “It’s very hard for the kids, too. All of a sudden, kids don’t want to see their parents as they’ve had enough of tennis and practising. For parents, it’s going to be hard to educate their kid and talk about anything other than tennis. If a kid has to listen to a parent talking all the time about tennis, and then talking about life in general, the kid is going to be thinking, ‘OK, just leave me to live my life a little bit as I don’t want you to influence every part of it.’ Coaching your child can only hinder them.”

Parents should never try to live their dreams through their kids, and make them play a sport they don’t want to play: “I’ve seen that over the years, and it’s just wrong.”

The most important thing is to make sure that your child wants to be on court and takes pleasure from playing tennis: “There are so many talented kids out there who, at an early age, have been forced to train too much by their parents and they start to hate tennis. That’s because, all of a sudden, it’s something they have to do. Most kids just want freedom. They just want to play. Especially when they’re young, they just want to think that they’re playing a game, and that it’s nothing serious. So don’t force them to practise a certain number of hours.”

Kids should be encouraged just to play points, rather than doing drills: “They should be having a fun and interesting time on court – they shouldn’t be drilling or grinding as then they could lose the desire to play.”

Don’t put pressure on your child to succeed. Just support them: “My parents never put pressure on me. They just talked about how important it is to be happy, and to behave well on the court. Those were the most important things. Looking back, that was great as so many parents these days put so much pressure on their kids. What they should be doing is offering unconditional support. Yes, you should show your kid the way. You need to give them discipline, so that they respect the time and money that has gone into tennis, so they recognise that they have been given an opportunity to be on court. But that’s not the same as putting pressure on them.”

Allow your child to make their own decisions: “There are so many cases when parents are very, very controlling. That’s so bad. The parents should be there to make sure that there are the right people around their child. But then they should leave it up to their kid and the coach to play and learn and to go into the details.”

Extracted from Game, Set and Match by Mark Hodgkinson (Bloomsbury, RRP £12.99). Available from Telegraph Books.

http://www.telegraph.co.uk/active/11684408/Help-your-child-succeed-at-tennis.html

ByEdmir C Cavalcante

Copa Recife 2016

ByEdmir C Cavalcante

Seletivas CORREIOS ETAPA2

Neste post comente sobre suas impressões acerca do clube, do traslado, da rede hoteleira, da cidade e da forma de disputa.

O espaço é dedicado ao debate e o resultado das opiniões servir de parâmetro para solicitação de ajustes ao regulamento.

ByEdmir C Cavalcante

Classificação Acadêmica das Universidades Mundiais 2015

Sábado, 15 de Agosto,2015
Xangai, República Popular da China

A Classificação Académica das Universidades Mundiais 2015 (em inglês: Academic Ranking of World Universities, e em sigla: ARWU) é divulgada hoje pelo Centro de Universidades de Classe Mundial da Universidade de Jiao Tong de Xangai. A partir de 2003, ARWU vem apresentando anualmente as 500 melhores universidades com base em metodologia transparente e dados de terceiros. Tem sido reconhecida como um precursor de classificações globais das universidades e o mais fidedigno.

A Universidade de Harvard continua a ser número um no mundo para o 13º ano, e as outras universades de 10 melhores são: a Stanford, o MIT, a Berkeley, a Cambridge, a Princeton, o Caltech, a Columbia, a Chicago e a Oxford. Na Europa Continental, o Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETH Zurich) (20ª) na Suíça ocupa o primeiro lugar, e a Universidade de Copenhague (35ª) na Dinamarca ultrapassa a Universidade Pierre e Marie Curie (36ª) da França como a 2ª melhor universidade nesta região. A Universidade de Tóquio (21ª) e a Universidade de Quioto (26ª) mantêm suas posições de liderança na Ásia. A Universidade de Melbourne (44ª) encabeça outras universidades na Oceânia.

A Universidade de Warwick (92ª) no Reino Unido entra na lista das 100 melhores universidades pela primeira vez. No total há 11 universidades que se introduzem na lista das 500 melhores universidades em 2015, entre os quais a Universidade de Tecnologia da Queenslândia da Austrália e a Universidade de Tecnologia de Sharif do Irão fazem suas primeiras aparições.

O Centro de Universidades de Classe Mundial também lança a Classificação Académica das Universidades Mundiais 2015 por Grandes Áreas Temáticas (ARWU-FIELD) e a por Áreas Temáticas (ARWU-SUBJECT). As 200 melhores universidades em cinco grandes áreas temáticas e em cinco áreas temáticas selecionadas são enumeradas, onde as 5 melhores universidades são:

As listas completas e metodologias detalhadas podem ser encontradas no site da Classificação Académica das Universidades Mundiais em http://www.ShanghaiRanking.com/

Classificação Académica das Universidades Mundiais (ARWU): Desde 2003, a ARWU vem apresentando anualmente as 500 melhores universidades com base no conjunto de indicadores objectivos e dados de terceiros. A ARWU tem sido reconhecida como o precursor de classificação global das universidades e a tabela classificativa mais confiável. A ARWU adota seis indicadores objetivos para classificar as universidades mundiais, incluindo o número de ex-alunos vencedores do Prémio Nobel e da Medalha Field, e os membros do corpo docente que obtiveram tais prémios, o número de pesquisadores altamente citados selecionados, o número de artigos publicados em revistas da Natureza(Nature) e da Ciência(Science), o número de artigos indexados no Science Citation Index – Expanded e Social Sciences Citation Index, e o desempenho docente per capita da universidade. Mais de 1.200 universidades são realmente classificadas pela ARWU cada ano e as 500 melhores são publicadas.

Centro de Universidades de Classe Mundial da Universidade de Jiao Tong de Xangai: O CWCU (em inglês: Center for World-Class Universities at Shanghai Jiao Tong University, e em sigla: CWCU) dedica-se ao estudo teórico e político das Universidades de Classe Mundial com uma história de mais de 25 anos. Iniciou a “Conferência Internacional sobre Universidades de Classe Mundial” em 2005, e tem organizado este evento bienal desde então. O CWCU tenta criar bases de dados de grandes pesquisas das universidades do mundo e uma câmara de compensação da literatura sobre as universidades de classe mundial, oferecendo consultas para os governos e universidades.

Consultoria de Classificação de Xangai: Eis uma organização totalmente independente dedicada à pesquisa do ensino superior. É o editor oficial da Classificação Académica das Universidades Mundiais.

Site: http://www.ShanghaiRanking.com/

Contato: Dr.Ying CHENG em pr@shanghairanking.com

ByEdmir C Cavalcante

G3 VITÓRIA-ES 2016

Estávamos desde 2011 sem realização de um circuito estadual .

Fazia-se apenas as etapas G2 no início do ano e nos demais meses não havia atividade para o tênis Infanto no ES.
Esta etapa já foi a terceira do ano e acontecerão mais outras 4 em junho, julho, setembro e outubro.
Tivemos 40 inscritos .
Alguns atletas de MG e RJ estiverem presentes .
O torneio obteve um bom nível técnico e há oportunidades de melhoria que serão avaliadas numa reunião já agendada com os pais de atletas no próximo dia 18/03.

Os campeões do torneio G3 encerrado hoje em Vitória – ES são :
10 anos Lucca Pignaton – filho de Victor Pignaton
10 anos feminino- Aline Lema – filha de Eduardo Lema
12 anos masculino – Pedro Abdala – filho da Tatiana Abdala
14 anos Masculino – Leonardo Rangel – filho do José Roberto Rangel
16 anos masculino – Enzo Marcheschi – filho do Rodrigo Marcheschi

ByEdmir C Cavalcante

Copa GERDAU 2016

Nossas atletas..

Galera 14F / 16 F e 18F na Copa Gerdau POA/RS De pé: Andressa ;Camila Lago;Luiza Fullana; Catarina;Isabela;Mari Borboleta as Manas Gu e Duda Tanabe Agachadas: Isabel Ulhoa e Nina Chaves

Galera 14F / 16 F e 18F na Copa Gerdau POA/RS
De pé: Andressa ;Camila Lago;Luiza Fullana; Catarina;Isabela;Mari Borboleta as Manas Gu e Duda Tanabe
Agachadas: Isabel Ulhoa e Nina Chaves

Galera 14F / 16 F e 18F na Copa Gerdau POA/RS
De pé: Andressa ;Camila Lago;Luiza Fullana; Catarina;Isabela;Mari Borboleta as Manas Gu e Duda Tanabe
Agachadas: Isabel Ulhoa e Nina Chaves

ByEdmir C Cavalcante

Tênis X Escola

NÃO É INCOMUM VERMOS ATLETAS de todas as modalidades dizendo que não terminaram o ensino fundamental por este ser incompatível com a rotina do esporte. Antigamente, era de causar estranheza que atletas tivessem ensino superior completo. Estas duas palavras, educação e esporte, não eram vistas juntas. Uma independia da outra. Mas os tempos mudaram e a educação, mais do que nunca, é um quesito fundamental na vida de qualquer pessoa.

No tênis, o assunto é complexo e gera muita polêmica. Torneios de tênis são extensos e cansativos, mas valem a pena. A cada vitória, os pontinhos conquistados deixam o corpo e a mente em êxtase, e é difícil voltar à rotina depois de viver tudo isso. Se por um lado o calendário tenístico é denso, não podemos dizer outra coisa do escolar. Matéria nova a cada aula, exercícios que valem nota, provas, estudos, controle das faltas, atividades extracurriculares… as atividades parecem não ter fim. Em 24 horas, chega a ser impossível dar conta de tantos compromissos. Mas como diz um provérbio árabe, “quem quer fazer algo encontra um meio”. É possível, sim, unir as duas coisas, e muitos jovens tenistas estão aí para mostrar que para tudo dá-se um jeito.


COMO CONCILIAR?

O alagoano Tiago Fernandes, 18 anos, campeão juvenil do Australian Open 2010, é um grande exemplo de maturidade nesse aspecto. Em 2008, aos 15 anos, quando deixou Maceió para ir treinar no Instituto Larri Passos, em Balneário Camboriú, sabia que seria difícil levar o tênis e os estudos juntos, mas, com um pouco de ajuda da escola e bastante força de vontade, conseguiu se formar. “Foi um pouco cansativo, mas, para mim e para a minha família, era uma prioridade terminar pelo menos o ensino médio numa escola com o ensino bom. Lá eles sempre me ajudaram bastante em relação às faltas e datas de prova, mas eu tinha que manter uma rotina de estudo razoável. Era sempre de acordo com meus torneios, tudo bem flexível. No entanto, sempre que eu não estava jogando torneios frequentava as aulas das 7h30 às 12h”.


Apesar da dificuldade de acompanhar as aulas, Thiago Pinheiro não desistiu

Outro tenista juvenil de destaque, Thiago Augusto Pinheiro, 18 anos, também teve rotina semelhante à do colega de Alagoas. No primeiro ano do ensino médio, quando treinava e estudava em São Paulo, tinha bastante apoio da escola, fazia trabalhos e provas em datas diferentes, que possibilitassem suas viagens, e conseguia fazer as duas coisas concomitantemente. Mas, na metade do segundo ano, Thiago voltou para a cidade de origem, São José dos Campos, e foi estudar em uma escola pública. Lá, segundo Pinheiro, foi mais simples levar os estudos, uma vez que a escola não cobrava muito dos alunos. De qualquer maneira, em uma escola particular ou pública, o maior problema do paulista era pegar o ritmo de aula. “A maior dificuldade foi que, sempre que eu começava a pegar o ritmo dos estudos, frequentar as aulas durante algumas semanas seguidas, tinha que viajar. E quando voltava, simplesmente não sabia o que o professor estava falando. Matéria completamente diferente, assuntos que eu nunca tinha ouvido falar etc”. Para conseguir estar em dia com os estudos, a solução encontrada pelo jovem foi, enquanto não estava jogando, pegar a matéria que tinha sido dada com os amigos e estudar por conta própria.
SEM CORPO MOLE
Mesmo com todo o apoio que as instituições dão aos alunos, é importante lembrar que o compromisso primeiro é com a educação. Então, por mais que algumas exceções sejam feitas, principalmente no que diz respeito às datas de provas, o aluno também precisa cumprir com suas obrigações. Irmã Priscilla, diretora do Colégio Franciscano Nossa Senhora Aparecida, onde estudou Flávia Araújo, de 18 anos, explica que, por mais que a jovem pudesse fazer provas substitutivas para recuperar as que havia perdido, as regras eram as mesmas para todos os alunos. “Não abríamos muita exceção para a Flávia. Ela podia fazer provas aos sábados, porque algumas vezes estava viajando, mas, assim como os demais alunos, precisava cumprir os 75% de presença. Nós não abonávamos as faltas. Resolvemos ajudá-la porque sabemos que nem todos dão conta de treinar e estudar ao mesmo tempo, e ela se mostrou muito interessada. Ela se destacava e corria atrás do prejuízo. Isso a fez conseguir”.

Desde pequena Flávia joga tênis, antes mesmo de começar a disputar torneios, e isso a ajudou a acostumar-se com os horários. Mas, depois que entrou no ensino médio, deparou-se com um sistema totalmente diferente, com outras obrigações, matérias e horários diferentes. “No primeiro ano foi um choque, mas logo deu para recuperar. Eram alguns torneios no começo do ano, então quando eu voltava, dava para assimilar melhor. Já no segundo e terceiro ano, foi muito pesado porque o colégio se volta à preparação para os vestibulares, com diversos simulados, muitos trabalhos e atividades, o que ocupa um grande tempo, interfere nos horários de treinos e no calendário de torneios. Tive que me adaptar”.

Para ela, o mais complicado era chegar de viagem e ter prova dias depois, então, precisava ter dedicação total. O colégio sempre se fez disponível para dar aulas de reforço durante a tarde e havia também a ajuda dos amigos, que retomavam com ela toda a matéria dada. Nos trabalhos, a mesma coisa. “Antes das viagens, os professores me adiantavam alguns materiais e trabalhos, então eu entregava antes. Durante as viagens, costumava levar os livros literários para adiantar, e sempre que uma atividade era designada com certa urgência, eu recebia e-mails de como realizá-la, e enviava”, explica Flávia.
#Q#


Para um dos melhores juvenis do mundo, Tiago Fernandes se formar era prioridade


MOTIVAÇÃO EXTRA
Para Maria Fernanda Alves, 28 anos, o apoio dado pela escola não motiva o aluno apenas a estudar e continuar sua educação, mas também a prosseguir treinando. Tirando notas boas e sabendo que o esforço vale a pena, o tenista tira da cabeça problemas mais cotidianos e consegue focar-se no jogo.

Durante o período em que estudava, Nanda tentava não perder muitas aulas. “Nessa época de escola e de tenista juvenil meu o calendário de torneios não era tão extenso. Eu selecionava os torneios mais importantes e próximos da minha cidade para não faltar muitos dias de aula e poder conciliar as duas coisas”. Hoje, ela dá sequência ao estudo e cursa administração em uma universidade de educação à distância. Atualmente, algumas tenistas como as irmãs Williams, Ana Ivanovic e Maria Sharapova investem em estudos à distância para ter uma formação mais completa.
VIVÊNCIA
Tão importante quanto o estudo em si é a vivência que a escola proporciona aos jovens. O ambiente escolar e a integração com outros adolescentes e crianças são essenciais para que meninos e meninas cresçam saudáveis e tenham noção da realidade e sociedade em que estão inseridos.

“Hoje mesmo passo por situações que encontrei no colégio e sei lidar com isso, tanto com coisas mais voltadas para conteúdo acadêmico quanto a vivências, experiências do dia-a-dia. O colégio lhe oferece vários valores importantes para vida, e enquanto os assuntos e interesses mudam, os professores se relacionam muito mais com os alunos, se identificam mais nessa fase de colegial, o que eu considero muito importante por ser uma experiência que você levará para a vida”, aponta Flávia Araújo.
O PAPEL DOS PAIS
No caso dos estudos, em especial, o papel dos pais é de suma importância. A hierarquia das coisas tem que estar muito clara na cabeça das crianças. Nada é mais importante do que ter uma educação boa e completa.

Os pais devem aconselhar seus filhos e estar sempre alertas, para ter certeza de que o estudo não está sendo prejudicado. É preciso ficar atento não só nas notas, mas no comportamento dos jovens dentro e fora da sala de aula e reparar se está havendo alguma sobrecarga emocional.

Nessa idade tudo é muito relativo e intenso, então é preciso que haja um adulto que elucide as questões para o filho. Aos 16 anos, Ídio Escobar desistiu de estudar por querer treinar em período integral. Agora, aos quase 20 anos, lamenta a decisão. “Não tive ninguém para me aconselhar e fui no embalo, decidi parar. Só hoje eu vejo que poderia ter corrido atrás, ter estudado, procurado alguma escola à distância”.